LITURGIA DIÁRIA

34ª Semana do Tempo Comum | Terça-feira

Peçamos ao Senhor que nos dê discernimento

23/11/2021 06h04Atualizado há 1 semana
Por: William Escobar
Fonte: Canção Nova
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Primeira Leitura (Dn 2,31-45)

Leitura da Profecia de Daniel.

Naqueles dias, disse Daniel a Nabucodonosor: 31“Tu, ó rei, olhavas, e pareceu-te ver uma estátua grande, muito alta, erguida à tua frente, de aspecto aterrador. 32A cabeça da estátua era de ouro fino, peito e braços eram de prata, ventre e coxas, de bronze; 33sendo as pernas de ferro, e os pés, parte de ferro e parte de barro. 34Estavas olhando, quando uma pedra, sem ser empurrada por ninguém, se desprendeu de algum lugar, e veio bater na estátua, em seus pés de ferro e barro, fazendo-os em pedaços; 35então, a um só tempo, despedaçaram-se ferro, barro, bronze, prata e ouro, tudo ficando como a palha miúda das eiras, no verão, que o vento varre sem deixar vestígios; mas a pedra que atingira a estátua transformou-se num grande monte e encheu toda a terra.

36Este foi o sonho; vou dar também a interpretação, ó rei, em tua presença. 37Tu és um grande rei, e o Deus do céu te deu a realeza, o poder, a autoridade e a glória; 38ele entregou em tuas mãos os filhos dos homens, os animais do campo e as aves do céu, onde quer que habitem, e te constituiu senhor de todos eles: tu és a cabeça de ouro. 39Depois de ti, surgirá outro reino, que é inferior ao teu, e ainda um terceiro, que será de bronze, e dominará toda a terra. 40O quarto reino será forte como ferro; e assim como o ferro tudo esmaga e domina, do mesmo modo, à semelhança do ferro, ele esmagará e destruirá todos aqueles reinos. 41Viste os pés e dedos dos pés, parte de barro e parte de ferro, porque o reino será dividido; terá a força do ferro, conforme viste o ferro misturado com barro cozido. 42Viste também que os dedos dos pés eram parte de ferro e parte de barro, porque o reino em parte será sólido e em parte quebradiço.

43Quanto ao ferro misturado com barro cozido, haverá decerto ligações por via de casamentos, mas sem coesão entre as partes, assim como o ferro não faz liga com o barro. 44No tempo desses reinos, o Deus do céu suscitará um reino que nunca será destruído, um reino que não passará a outro povo; antes, esmagará e aniquilará todos esses reinos, e ele permanecerá para sempre. 45Quanto à pedra que, sem ser tocada por mãos, se desprendeu do monte e despedaçou o barro cozido, o ferro, o bronze, a prata e o ouro, o grande Deus faz saber ao rei o que acontecerá depois, no futuro. O sonho é verdadeiro, e sua interpretação, fiel”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Dn 3,57s.)

— Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!

— Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!

— Obras do Senhor, bendizei o Senhor!

— Céus do Senhor, bendizei o Senhor!

— Anjos do Senhor, bendizei o Senhor!

— Águas do alto céu, bendizei o Senhor!

— Potências do Senhor, bendizei o Senhor!

Evangelho (Lc 21,5-11)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 5algumas pessoas comentavam a respeito do Templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas. Jesus disse: 6“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”. 7Mas eles perguntaram: “Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal de que estas coisas estão para acontecer?” 8Jesus respondeu: “Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim”. 10E Jesus continuou: “Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. 11Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

HOMILIA

Peçamos ao Senhor que nos dê discernimento

“Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente!” (Lucas 21,8).

A advertência de Jesus ontem é para hoje, amanhã e enquanto durar o tempo. Cuidado! Cuidado para não sermos enganados, porque facilmente somos enganados pelas coisas do mundo, somos enganados pelos vendedores, pelos que nos oferecem suas propagandas nos meios de comunicação. Agora, com as redes sociais, tão facilmente nos deixamos ludibriar. Cuidado com aquilo que os olhos veem, cuidado com aquilo que atiça os nossos sentidos, com aquilo que os ouvidos estão escutando! Cuidado, porque tem muita coisa que nos seduz, mas nos ilude e engana. Nem tudo que parece é o que é realmente, nem tudo o que está na capa é o que está dentro, nem tudo o que aparenta ser brilho tem realmente brilho.

É preciso, nos tempos em que vivemos, muito discernimento. Há muito engano, muitas ilusões e distorções com a Palavra de Deus

É preciso esperteza; e talvez a palavra esperteza nem caiba tão bem aqui, pois é preciso mesmo a sabedoria que nos dá discernimento para sabermos separarmos uma coisa da outra, o que eu falo do mundo em que nós estamos, das realidades temporais. É preciso dizer, inclusive, também no aspecto religioso e espiritual.

Muitos falam de Jesus, gritam o nome de Jesus, expressam o nome de Deus para tudo quanto é coisa! É Deus aqui e acolá, inclusive agitam situações em nome de Deus, fazem chantagens religiosas, ameaças de levar para o Céu ou de perder o Céu, de levar para o inferno ou de tirar do inferno. Há muitos que vem em nome de Deus e O verbalizam o tempo inteiro, na igreja, fora da igreja, na sociedade.

Falar de Deus virou moda, usam o nome d’Ele para instrumentalizar situações psíquicas, psicológicas, políticas, ideológicas. “Cuidado, muitos virão em meu nome enganando; e não sou eu que estou falando, não sou eu que estou fazendo”, então, se já ouvimos Jesus dizer: “Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino do Senhor” (Mateus 7,21), e nem todo aquele que vem em nome do Senhor significa que é do Senhor.

É preciso, nos tempos em que vivemos, muito discernimento. Há muito engano, muitas ilusões e distorções com a Palavra de Deus, com o nome de Deus e com as coisas d’Ele. Quem tem sabedoria use, peça a Deus discernimento. Deixemos, sobretudo, que a sabedoria da Igreja, Mãe e Mestra, fiel Esposa do Senhor, ajude-nos a caminhar nos tempos em que vivemos para não sermos enganados com as ilusões religiosas dos nossos tempos.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

SANTO DO DIA

São Clemente I

São Clemente I é o terceiro sucessor de São Pedro como Bispo de Roma, depois de Lino e Anacleto. São Paulo o nomeia na Carta aos Filipenses: “Peço-vos que auxilieis também aqueles que, como Clemente e outros, comigo labutaram pelo Evangelho, cujos nomes estão escritos no livro da vida”. Com muito empenho, São Clemente regeu a Igreja de Roma dos anos 88 até 97.

Clemente é conhecido na história da Igreja por uma Carta que se sobressai em seu pontificado, trata-se de um documento de primeira grandeza, fundamental a favor do primado universal do Bispo de Roma: a Carta aos Coríntios. No texto, escrito no ano de 96, Clemente lamenta as adversidades que aconteceram devido à perseguição dos imperadores Domiciano e Nero.

Perturbada por agitadores presumidos e invejosos, a comunidade cristã de Corinto ameaçava desagregação e ruptura. Com a missão de pacificar a comunidade, São Clemente escreve-lhe uma extensa carta de orientação e pacificação, repassada de energia persuasiva, recomendando humildade, paz e obediência à hierarquia eclesiástica já então definida nos seus diversos graus: Bispos, Presbíteros e Diáconos.

Sua intervenção mostra que Clemente, para além de Bispo de Roma, sentia-se responsável e com autoridade sobre as outras Igrejas.

E saliente-se que, nessa altura, vivia ainda o Apóstolo São João, o que nos permite concluir que o Primado não foi de modo algum uma ideia meramente nascida de circunstâncias favoráveis, mas uma convicção clara logo desde o início. Se assim não fosse, nunca São Clemente teria ousado meter-se onde, por hipótese, não era chamado.

João, como Apóstolo de Cristo, era sem dúvida uma figura venerável. Mas era ao Bispo de Roma, como sucessor de São Pedro, que competia o governo da cristandade.

Uma tradição que remonta ao fim do século IV, afirma que São Clemente terminou sua vida com o martírio. Seu nome ficou incluído no Cânon Romano da Missa.

São Clemente I, rogai por nós!