MOMENTO ELLITE CAR

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

Aceleramos e comparamos Honda CB 1000R e Yamaha MT-09, duas das nakeds mais relevantes do mercado, diferentes em estilo mas igualmente apimentadas em performance, potência e torque. Duas devoradoras de asfalto e pneus!

22/11/2021 10h40
Por: William Escobar
Fonte: Motociclismo online
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O segmento das motos naked continua forte e sem data para acabar, afinal a moto pura e simples como deve ser, carrega apenas o essencial e, sem dúvida, o ditado menos é mais nunca foi tão apropriado e mostra o quão prazeroso o simples, e não o simplório, pode ser durante a pilotagem e também aos olhos.

O início das nakeds

A Honda foi precursora das supernakeds quando lançou, lá em 1969, a CB 750, a primeira motocicleta produzida em massa com motor transversal de quatro cilindros em linha e comando de válvulas no cabeçote. Era um motor de quatro tempos refrigerado a ar com transmissão de cinco velocidades. Outras inovações foram o freio a disco dianteiro, partida elétrica e a ergonomia vertical e confortável.

As motos naked de alta cilindrada se caracterizam pela facilidade de condução, que tem como aliados (em geral) a agilidade e a leveza, ideais para o uso urbano, e elas ainda podem causar fortes emoções com arrancadas e acelerações brutais.

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

Para o uso rodoviário, a ausência de proteção aerodinâmica pode cansar com poucas horas de viagem, e o caráter agressivo e brutal de seus motores faz delas uma escolha difícil entre outras tantas opções na mesma faixa de preço, principalmente quando se usa a moto com frequência na estrada. Em viagens curtas e sem garupa elas são bem divertidas, especialmente por estradas sinuosas.

A maioria das naked herda tecnologia das superesportivas de competição e, em alguns casos, elas são tão radicais que passaram a ser chamadas de hypernaked, como Ducati Streetfighter V4, MV Agusta Brutale 1000, KTM 1290 Super Duke R e Aprilia Tuono V4.

O comparativo

Aceleramos a Honda CB 1000R Neo Sport Café e a Yamaha MT-09, duas das naked mais relevantes do mercado brasileiro, cada qual com seu estilo característico, mas elas têm semelhanças no caráter apimentado dos motores de alta potência e torque poderoso, o que faz delas monstros devoradores de asfalto e pneus.

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

Eles possuem rodas fundidas de 17 polegadas e pneus radiais esportivos, têm ABS e controle de tração padrão, suspensões multiajustáveis e pinças de freio dianteiras radiais. Oferecem posição de pilotagem ereta e bastante confortável, mas sem proteção contra o vento, e ambas oferecem adrenalina em doses cavalares, suficientes para fazer até os mais experientes tremerem.

Honda CB 1000R

A CB 1000R Neo Sports Café segue como a rainha naked da marca da asa, equipada com o poderoso motor quatro cilindros em linha, 16 válvulas e refrigeração líquida, derivado da superesportiva CBR 1000RR de 2008, o motor de 998,4 cm³ da CB foi ajustado para maior aproveitamento e entrega de potência e torque em baixas e médias rotações, e sua transmissão de seis velocidades com embreagem assistida é perfeitamente escalonada para aproveitar ao máximo a faixa mais utilizável.

O gerenciamento eletrônico do motor da CB 1000R inclui acelerador eletrônico com modos de pilotagem (Sport, Street, Rain e User) que ajustam a resposta do acelerador, o freio-motor e o controle de tração.

Yamaha MT-09

A MT-09, por sua vez é a rainha da família Master of Torque (MT) no Brasil, já que no exterior há também a MT-10 derivada da YZF-R1 (uma hypernaked). A família MT é a proposta da marca dos diapasões com motocicletas simples, leves e despojadas, com motores de alto torque e desempenho esportivo.

O motor da MT-09 é um inovador três cilindros em linha de 847 cm³, 12 válvulas e comando DOHC. O virabrequim utiliza a tecnologia Crossplane que privilegia maior torque em média e baixa cilindradas, por isso as pancadas no estômago nas acelerações mais entusiasmadas. Este motor é capaz de entregar 115 cv a 10.000 rpm e 8,92 kgf.m a 8.500 rpm de potência e torque máximos. Pode parecer pouco, mas as respostas ao girar o acelerador proporcionam acelerações e retomadas muito rápidas, dignas de uma autêntica supernaked.

O acelerador eletrônico da MT-09 tem três modos de pilotagem, mas a peculiaridade do sistema da Yamaha é que o motor entrega a mesma potência em todos os modos, o que varia é a velocidade de abertura das borboletas do corpo de injeção, sendo mais rápidas no modo A, normais no modo STD e mais lentas no modo B, mais manso e que ajuda em pavimentos escorregadios combinado com o controle de tração, mas sempre entregando os 115 cv.

Achei mais legal rodar com a MT-09 na cidade no modo B para o acelerador ficar mais gerenciável e evitar as “cabeçadas” nas acelerações e desacelerações do tráfego urbano, assim como na CB 1000R preferi rodar suave no modo STD. Dessa forma, a esperteza e a brutalidade dão lugar à docilidade ao giro do acelerador.

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

Nos bate-papos de botequim, entre alguns ditos entendedores de motocicletas, há os que afirmam que a MT-09 é fraca, por conta de seus “meros” 115 cv, e que isso é pouco para encarar as “milzonas”, com mais de 140 cv, como a CB, que tem 141,4 cv, mas é só fazer umas continhas para ver números interessantes e que explicam por que a MT-09 voa baixo e engana aos olhos.

Abastecida, a CB 1000R pesa 219 quilos, então sua relação peso-potência é de 1,55 kg/cv e a relação peso-torque é de 21,47 kg/kgf.m. Já a MT-09, abastecida, pesa 193 quilos, o que deixa sua relação peso-potência com 1,67 kg/cv e a relação peso-torque com 21,68 kg/kgf.m, daí percebemos que os números ficam bastante próximos.

Acelerando as naves

Os motores são impecavelmente suaves e engatar a sexta marcha e manter uma velocidade de cruzeiro constante é uma experiência sublime, com vibração mínima. O motor de três cilindros em linha da MT-09 tem funcionamento um pouco mais áspero do que o de quatro cilindros, mas não traz qualquer perturbação no passeio. Nenhuma delas tem piloto automático, mas com seus tanques de combustível de capacidades limitadas é bom aliviar o pulso para evitar pane seca. Rodando na cidade, o consumo médio da Yamaha MT-09 fica na casa dos 18 km/l, já o da CB 1000R fica por volta dos 14 km/l.

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

Quando fizemos um rolé pela estrada dos romeiros para a sessão de fotos, o consumo da CB 1000R, acelerando com mais vontade, foi de 12 km/l, já o consumo da MT-09 foi de 16 km/l, ambos marcados no consumo instantâneo do painel. A Honda comporta 16,1 litros, sendo três litros de reserva e a Yamaha 14, sendo três litros de reserva, por isso a autonomia não é das maiores.

Dinâmica e ciclística

No uso diário, durante os deslocamentos e no vai e vem pela cidade é que essas motos se distinguem ainda mais. São 26 quilos a mais na CB 1000R, vantagem para a MT-09. As diferenças de peso e na geometria de chassi fazem da Yamaha mais rápida para ser direcionada e entrar nas curvas, mas por outro lado ela tem temperamento mais nervoso, chacoalha um pouco mais quando está inclinada, já a cebezona é um pouco mais lenta para iniciar as inclinações, mas percorre as curvas bem pregada ao chão, com movimentos mais suaves e previsíveis.

Boa parte da boa sensação nas reações é por conta das suspensões mais elaboradas na Honda, com bengalas Showa BPF, que são totalmente reguláveis, enquanto as da MT-09 só recebem ajuste no retorno hidrálico. Já na traseira a CB 1000R tem o amortecedor totalmente ajustável e na Yamaha ele só tem ajustes de pré-carga da mola e retorno hidráulico.

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

Se nas absorções dos impactos as suspensões da Honda são mais precisas e levam vantagem, na ergonomia a MT-09 é um pouco mais amigável, mais estreita entre as pernas e o banco é um pouco mais baixo em relação ao guidão que fica mais próximo do corpo. O banco um pouco mais alto e o guidão mais baixo deixam a posição de pilotagem ligeiramente mais inclinada à frente na CB, por isso ela é mais cansativa. As duas motos vêm equipadas com pneus Bridgestone Battlax Hypersport, na CB é o modelo S21 e na MT o S20, mas as duas permitem pilotagem prazerosa e muita confiança na tocada esportiva.

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

A Honda CB 1000R tem mais eletrônica embarcada e componentes mais elaborados, o que justifica os R$ 62.130 do preço de etiqueta, e ela tem a vantagem da suavidade de seu quatro cilindros. Por outro lado, o motor da MT-09 empolga muito em média e baixa rotações e é mais econômico. A posição de pilotagem é menos cansativa, o que faz dos R$ 56.890 pedidos também uma ótima opção.

Conclusão

2º Yamaha MT-09

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

1º Honda CB 1000R

Honda CB 1000R x Yamaha MT-09: presença e muita pegada

A vitória veio com uma diferença mínima, prova de que as duas são excelentes opções para quem busca uma naked. É lógico que os quase R$ 10.000 de diferença são uma boa grana, mas se este não for o problema para você, é um ótimo problema para se resolver: escolher uma delas.

Na hora de ir embora pra casa, escolhi a CB para encarar uma das minhas estradas favoritas, a Rio-Santos, e ficar com ela por alguns dias, e posso garantir que foi um dos testes mais prazerosos que já fiz. Mas fiquei chateado de deixar a MT-09 para trás, afinal ela é uma moto que me encanta também, sinto que encaixo melhor nela e fico mais à vontade para acelerá-la e deixá-la me seduzir.

A CB 1000R é uma moto que pode ser dócil e amigável para um passeio de domingo, mas também exige habilidade e coragem para levá-la ao limite e sentir seus quatro cilindros berrar forte e inundar o corpo de emoções. Se você estiver em dúvida, faça um test-ride e sinta qual é a que melhor envolve e faz você sentir o coração bater mais forte. Afinal, nunca é demais lembrar que é justamente por isso que pilotamos motocicletas!