FÓRMULA 1

Troca de motor da Mercedes e falta de compreensão do carro pela Red Bull apimentam luta pelo título da F1

A Mercedes parece ser o carro mais rápido no momento, mas aparentemente não está satisfeita com seus motores. A Red Bull Racing também está preocupada, com o problema sendo o próprio carro

18/10/2021 10h30
Por: William Escobar
Fonte: F1mania
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Com seis corridas pela frente e seis pontos de diferença entre o líder Max Verstappen e o segundo colocado Lewis Hamilton, ainda há muito por vir nesta temporada da Fórmula 1. A Mercedes parece ser o carro mais rápido no momento, mas aparentemente não está satisfeita com seus motores. A Red Bull Racing também está preocupada, com o problema sendo o próprio carro.

O jornalista de F1 Michael Schmidt vê uma reviravolta surpreendente nos eventos, ele falou ao ‘Auto, Motor und Sport’.

“A luta pelo título tem uma nova dinâmica. A Red Bull não entende mais seu carro, a Mercedes não entende mais o seu motor. No fim, ambas as coisas podem determinar o resultado do campeonato”. A Mercedes tem problemas desde Zandvoort, que ainda não foram esclarecidos.

Não apenas a Mercedes, mas também as equipes clientes têm problemas. “Isso veio tão repentinamente quanto os problemas da Red Bull com o carro. Hamilton teve que trocar o seu motor na Turquia. Simplesmente não havia mais folga. O primeiro motor quebrou em Zandvoort, o segundo foi desmontado para fornecer algumas peças ao motor mais recente.”

A Mercedes usou seu terceiro motor em Spa-Francorchamps. No entanto, de acordo com Schmidt, esse motor também chegou ao limite. Toto Wolff reconheceu que não espera mais usar esse motor em corridas. “Ainda temos que decidir se vamos fazer outra corrida com ele ou apenas usá-lo nas sextas-feiras”, disse Wolff.

Isso significa que Hamilton teria que fazer sete corridas com seu novo motor. Com o atual, é uma tarefa particularmente difícil, o mesmo acontece com seu companheiro de equipe Valtteri Bottas. O finlandês recebeu um motor novo em Monza e novamente em Sochi. O motor de Monza foi retirado do carro depois de apenas 931 quilômetros – muito pouco para um motor de F1.

Um Grande Prêmio tem sempre cerca de 300 quilômetros. Assim, sem levar em conta a qualificação no sábado, Bottas acaba de completar três Grandes Prêmios com um novo motor e Hamilton agora enfrenta a tarefa de fazer sete corridas com um único motor.